Palavra de salvação

Posted: 07/11/2011 by Aurea Gil in Contos, Kathy, Personagens, Vampiro

“Deus vos salve”, eu murmurei, ao ver que Sebastião se aproximava. Ele não me respondeu. Os brancos diziam que ele era um negociante. Pra mim não passava de mais um mestiço como eu. Filho da terra, sim, embora estivesse livre agora.

Toda a família dele, se não morreu ou fugiu, com certeza ainda era índio que se arrastava por aí servindo aos brancos. Só porque esse meia bosta agora anda a cavalo e calça sapato de couro de vaca, acha que é melhor do que os outros todos. Coitado.

Uma movimentação no lado de fora me fez olhar pela janela a tempo de ver aquele feiticeiro chegando, meio andando, meio arrastado pelos capangas do dono da terra. Baraúna. O olho dele me dava medo. O olhar era de raiva, de fúria.

Meu pai me ensinou como lidar com esses índios que não eram acostumados a viver que nem gente. Era com desconfiança. Ficou tal qual o animal que era, acocorado num canto, só faltava rosnar. “Pai do céu me proteja”, eu disse, enquanto tentava lembrar da reza do Espírito Santo.

O último a chegar era sempre Dourival. Estava ali um homem bonito que dava gosto. Usava bota, chapéu pardo, lenço de cabeça, roupa de gente importante, tinha aquele olho verde que parecia uma pedra brilhando no meio da cara barbada.

Era um homem direito assim que uma mulher que nem eu devia arrumar pra ver se eu me aquietava logo desse pecado que me rondava. Era um homem desse que eu tinha que arrumar pra ver se ficava longe de uma vez por todas daquele seu Coimbra.

E por falar no diabo, lá vem ele. Credo em cruz, que se aquele homem não era o capeta, estava muito perto disso. E nem índio era, pra se dizer de feiticeiro. Perto dele o tal Baraúna era um santo do altar.

Era ainda mais branco que Dourival, o desgraçado. Nem muito cabelo tinha na cabeça, só em volta, e nem chapéu não usava. Também não tinha aquele olho que parecia de vidro como Dourival.

 Ao contrário, tinha era um olho que saltava de dentro da cara, e que parecia que me comia naquele olhar de gente que te olha que nem quando vê porco assando no ferro.

Gente ele não era, aquilo era um demônio que me atentava, e me fazia fazer coisas que eu não queria, e o que eu queria agora era não viver mais naquele pecado. 

Todos sempre ficavam agoniados ao ver o seu Coimbra. E quem é que se aquieta ao ver o diacho ali, em pessoa? Enquanto os outros falavam dos índios, das terras, dos navios, da vila, das coisas que ele queria pra ele, e que a gente conseguia pra ele sempre, o que eu fazia era rezar. Nem ouvia nada.

O problema é que o cheiro do pecado dele me tirava da reza e me fazia pensar no sangue quente escorrendo do braço dele até a minha boca, e parecia que eu podia matar um daqueles três só pra ser a primeira a morder o diabo.

“Me ajudai, senhor, repara meus pecados, me afasta desse mal”, eu dizia, tentando nem mexer os lábios. E esfregava as mãos trêmulas no meu vestido rústico enquanto olhava aqueles dentes pontudos do tinhoso, e sentia aquele cheiro de coisa ruim.

“Me concede a graça de perseverar no vosso santo  serviço, meu deus, meu santo pai”, eu murmurava, e quando todos os olhos, os do sarnento e os dos outros todos, se viraram pra mim, contra mim, eu gritei.

Gritei que não conseguia mais, que não dava mais conta, que não tinha mais forças, e apontei que o feiticeiro é quem devia estar no meu lugar, servindo ao capeta.

Apontei o Dourival e disse que queria era ir embora com ele. E foi então que o cascudo abriu seus braços pra mim, dizendo, naquele sotaque forte de português, que ia me libertar.

Dizia que ia era tirar aquele peso todo de mim. O peso do pecado. “Venha, minha filha”, ele disse. E eu me deixei amparar naqueles braços malditos, e foi o que ele fez.

Me levou pros braços do meu pai, por quem eu tanto implorava. Eu descobri que ele não era o capeta, não. Descobri que ali, naquela São Paulo de Piratininga, Coimbra era Deus.

(Texto meu baseado em rolagem de Vampiro a Máscara)

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s