Archive for the ‘Lobisomem’ Category

As pequenas coisas da vida

Posted: 07/12/2011 by Bruno in Bruno, Contos, Lobisomem, Personagens

Meu nome é João. João da gaita.
Não, eu não tenho dinheiro. Eu tô falando daquele negócio de assoprar, Animal.

Quem me vê hoje em dia, feliz e bonito…
… o que? Eu tenho cara te catarro misturado com terra?!

Tá certo.
Quem me vê hoje em dia feliz e cheio de amigos…
… porra Animal, você é um puta de um corta barato!

Quem me vê assim, bêbado a maior parte do tempo e tocando a gaita como ninguém nem imagina o que eu já passei na vida. Por pior que seja a expectativa, provavelmente não chega nem perto do que foi de verdade.

O orfanato é um lugar triste. Tem seus momentos de felicidade, mas o ar está sempre carregado daquela sensação de que ninguém gosta de você. Afinal, se alguém gostasse de você, você não estaria ali.
As tias eram gente boa, faziam um esforço, mas ninguém gosta de gente feia. Pelo menos eu era limpinho.
Quando se é novo não tem muito dessa história de panela. A molecada se juntava e brincava. De vez em quando até brincavam comigo. Mas quando a gente vai envelhecendo, as coisas mudam um bocado, e eu não tô falando só dos pêlos que crescem lá embaixo e a voz que engrossa. Quem fica pra trás vai ficando amargo. E isso é de se esperar, já que ninguém gosta de você, você passa a não gostar de ninguém. Os valores vão mudando. Tem sempre um idiota que quer ser o foda do pedaço. E esse fodão resolveu descontar a raiva que ele tinha do mundo em mim.
Foram seis meses aguentando todo o tipo de humilhação.

Neste ponto da história eu já tinha percebido que era diferente. Só não imaginava que fosse TÃO diferente assim.

Certo dia estava eu, sentado em um canto do quintal do orfanato, com um teco de papel higiênico enfiado no nariz, tentando parar o sangramento, quando percebi que havia crescido ali uma planta carnívora. Ela ainda era pequena, mas foi o máximo quando ela prendeu uma mosca em uma de suas bocas. Foi mágico.
Eu olhei pra planta. Ela olhou pra mim. Aí tive certeza de que, além de feio, eu era louco. O que é um peidinho pra quem já tá cagado?!

A planta me ensinou um truque muito curioso. Em um minuto eu estava testando o truque, pois o fodão do pedaço estava vindo tirar um barato da minha cara porque eu estava falando sozinho.

Eu me levantei, olhei bem para a cara dele e lhe enfiei um tabefe bem encaixado no meio das fuças.
Animal, eu sei que dar tapa é coisa de moça, mas se eu desse um murro não ia funcionar. Presta atenção!

É claro que eu tomei outro soco no nariz. Deve ser por isso que ele é tão feio.

Em questão de segundos começaram a aparecer moscas de todos os cantos. Elas começaram a rodear o tal do fodão. Ele ficou apavorado. Foi mágico!

Foi quando então começaram a vir as abelhas.

Algumas delas picaram o mister fodão.

Ele era alérgico.

Moral da história: Dê a devida importância para as pequenas coisas da vida. Principalmente se elas tiverem ferrões. Elas podem, tipo assim, te matar se você for alérgico ou alguma coisa do tipo.